IGPM acumulado de 2022

IGPM acumulado de 2022: Se você costuma acompanhar as notícias relacionadas à economia do Brasil e do mundo com uma certa frequência, pode se sentir um pouco perdido diante de todas as mudanças pelas quais ela está passando, principalmente quando se trata de inflação e outras métricas usadas para calcular o impacto da economia na vida das pessoas.

Neste contexto, é fundamental saber mais sobre o IGPM acumulado de 2022 e todos os seus impactos.

Isso porque o índice em comento é responsável por fazer a medição dos preços médios de serviços e produtos em nosso país, de modo a identificar quais são os setores com maiores altas, bem como prever novas mudanças que ocorrerão ao longo do ano ou de um determinado período.

Assim, o consumidor pode se preparar para essas mudanças e organizar as finanças suas e de sua casa.

Pensando em informar os leitores acerca do IGPM acumulado de 2022, do seu significado e de quais são os seus impactos, nós resolvemos trazer o texto abaixo. Nele, você pode ficar por dentro de informações relevantes sobre esse índice, bem como entender como ele é aplicado na vida real. Portanto, para saber mais, continue lendo este texto.

IGPM acumulado

Confira também: Quais os principais vilões das contas de consumo: Gás, luz e água.

O que significa IGPM acumulado?

Para aqueles que não conhecem o que significa o IGP-M, temos que ela sigla é utilizada para designar o Índice Geral de Preços – Mercado. Esse índice costuma ser divulgado ao longo dos 12 meses do ano. Ele foi criado a partir de uma ação do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas, o FGV-IBRE.

A partir disso, se tem uma ideia dos preços praticados no mercado nacional.

A criação desse índice se deu a partir do fim da década de 40, tendo como principal objetivo, ser uma medida extremamente abrangente, que fosse capaz de englobar a flutuação dos preços dos mais diversos tipos de atividade, produtos e até mesmo das etapas de produção que cada um deles passa até chegar ao consumidor final.

Em outras palavras, podemos dizer que o IGPM acumulado nada mais é do que um indicador mensal, responsável por avaliar e mensurar as atividades econômicas realizadas dentro do país, considerando os principais setores da indústria e da produção. Existem três diferentes versões do IGPM acumulado, com formas distintas de avaliação dos preços.

O primeiro desses índices é conhecido como o IGP-10. Esse índice é responsável por fazer a apuração dos preços no dia 11 de cada mês até o dia 10 do mês seguinte. Em segundo lugar, temos o índice chamado de IGP-DI. Esse índice é mais popular do que o índice anterior, tendo em vista que ele inicia a apuração a partir do dia primeiro até o último dia do mês. 

Por fim, temos o terceiro e último índice da nossa lista, que também é o mais popular. Estamos falando do IGP-M. Este índice tem como responsabilidade a apuração de quaisquer informações sobre as variações nos preços de serviços e produtos. Ele se inicia no dia 20 do mês anterior, chegando até o dia 20 do próximo mês.

Além de ser utilizado para medir as flutuações de preços, ele também é amplamente usado como parâmetro na hora da realização de ajustes referentes às tarifas públicas, como é o caso da energia elétrica, tarifas de telefonia, contratos de prestação de serviços, contrato de aluguel e vários outros. Sendo assim, temos um parâmetro geral, que tem vasta utilização no mercado nacional.

Como é feito o cálculo do IGP-M?

Da mesma forma que acontece tanto com o IGP-DI quanto com o IGP-10, o IGP-M tem como base de cálculo a variação que ocorre regularmente no valor dos serviços e dos bens comercializados no país, bem como nos preços de matérias-primas utilizadas na produção agropecuária, na produção industrial e na construção civil.

Nesse sentido, temos que para obter o resultado do índice IGP-M, é necessário considerar a medida aritmética do IPC (Índice de Preços ao Consumidor), INCC (Índice Nacional da Construção Civil) e o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo). Cada um desses índices tem um peso correspondente a parcela do PIB, calculado a partir das Contas Nacionais e distribuído:

  • 10% do valor total para o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção);
  • 30% do valor total para o IPC (Índice de Preços ao Consumidor);
  • 60% do valor total para o IPPA (índice de Preços ao Produtor Amplo);

Para fazer um resumo do que cada um desses índices costumam significar, é importante deixar claro que o IPPA (índice de Preços ao Produtor Amplo) é o índice que monitora as variações dos preços que produtores pagam. Enquanto isso, o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) acompanha os preços e as variações que impactam a vida do consumidor comum.

Finalmente, o último índice que temos é o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção). Esse índice mede os custos e faz demonstração de todos os preços que possuem relação com a construção civil, de modo a considerar qualquer tipo de variação nos preços dos serviços e dos materiais utilizados, bem como a mão de obra embarcada.

Como o IGPM acumulado é utilizado?

Para quem é ligado na economia não só do Brasil, mas do mundo todo, sabe da importância que o IGP-M desempenha. Contudo, existem pessoas que não sabem como ele é utilizado e quais são os seus benefícios se acompanhados da forma correta. Antes de mais nada, o índice em comento é utilizado na hora de valorar os preços do aluguel, tarifas e muito mais.

Sendo assim, podemos dizer que através do IGPM acumulado e das suas variações, outros preços acabam considerando esse índice, como no caso dos planos de saúde, serviços de telefonia, reajustes nos valores dos aluguéis, na educação, nos contratos com empresas públicas e privadas, além de várias outras.

Sendo assim, o IGPM acumulado de 2022 e as suas flutuações irá servir de base para os reajustes nos preços cobrados nos aluguéis da sua casa, na sua conta de luz, na contratação de serviços telefônicos, nos planos de saúde da sua família e muito mais. Isso demonstra a grande importância por parte da população em ficar por dentro das suas variações.

Portanto, se você não quer sofrer com os impactos que o IGPM acumulado de 2022 irá desempenhar na sua vida financeira, vale a pena se informar e buscar todas as informações relevantes que o índice possui.

Variações e IGPM acumulado de 2022 – previsões para o final do ano e para 2023

Ao longo do texto, foi possível perceber a importância que o IGPM acumulado de 2022 desempenha na vida da população. Nesse sentido, é importante que as pessoas fiquem atentas as variações que ele vem sofrendo ao longo do ano, bem como as futuras projeções para o ano de 2023 e o impacto que isso causará na economia do país.

Para se ter uma ideia, o Índice Geral de Preços – Mercado – IGP-M mostrou uma pequena variação em junho deste ano. De acordo com os especialistas, essa variação foi de 0,59%. Em relação ao mês de maio do ano de 2022, a variação foi um pouco menor, chegando a 0,52%. Considerando apenas os oito primeiros meses do ano, o IGPM acumulado de 2022 atingiu uma marca de 8,16%. A previsão é que até o fim do ano, o acumulado seja de 10,70%.

Se fizer uma comparação simples com o ano passado, em 2021, o acumulado nos 8 primeiros meses bateu a marca de 35,75%, algo muito maior do que este ano de 2022. Sendo assim, podemos dizer que mesmo em alta, o IGPM acumulado de 2022 é bastante inferior ao do ano de 2021 no mesmo período, o que mostra que o mercado segue em recuperação lenta e gradual.

Ilustrando tudo que foi dito, é importante destacar o aumento e a queda nos valores de alguns produtos que consumimos no dia a dia, como é o caso do leite. O leite registrou uma queda de 4,40% em relação ao mesmo período do ano passado. Já o óleo diesel registrou um aumento que superou a casa dos 23% em 2022. Finalmente, os veículos também registraram alta de 2,31% no acumulado do ano.

Conclusão sobre IGPM acumulado

Diante de tudo que foi exposto ao longo do presente texto, temos que os índices como IPCA, INCC, IPA, IGP-M e vários outros são de extrema importância para as pessoas que querem monitorar como anda a economia, bem como se preparar para as futuras flutuações de preço que itens básicos irão sofrer ao longo do ano ou até mesmo do ano seguinte.

Ao considerarmos o IGPM acumulado de 2022 com o de 2021, temos uma redução significativa na maioria dos preços de produtos anteriormente cobrados de forma exacerbada. Isso mostra que a economia do país está começando a retomar o seu ritmo normal, bem como melhorar os índices que até pouco tempo estavam em queda.

Portanto, o momento atual que o país vive é de recuperação. Sendo assim, podemos concluir que os preços de produtos estão voltando ao normal e ajudando ao consumidor final, que antes, via o seu salário ser gasto sem levar para casa quase nada, ou seja, teve seu poder de compra corroído, mas que está voltando ao normal.

Deixe um comentário